quinta-feira, 29 de setembro de 2016

the lonely seagull


Nas costas litorais, só um naufrago pode olhar para a imensidão do oceano e sentir medo, pela solidão que o deixa vazio, a cada dia e cada momento, em que a areia, é inevitavelmente contada até ao infinito, grão a grão, até levar à loucura, que só perdura, se ele abrir os olhos, e sentir a risca horizontal da serpente, ao se invadir pela tenacidade da sobrevivência, ou será para sempre um eterno naufrago, sentado na areia, escutando o mar, ou se deixar levar pelos raios solares, enquanto se deita violentamente na areia, e areia, e mar,... as ondas mudam, o mar está calmo, as ondas crescem, e o mar ermo, que batem a seus pés dia após dia...

by Rui Faria, MR
Enviar um comentário