sábado, 17 de setembro de 2016

alvéola-cinzenta no tejo


É nas margens aquáticas que a podemos encontrar, com a sua cauda alongada, a balançar e a tremelicar, num compasso ritmado e sempre atento aos invertebrados que abundam nestes sítios por ela escolhidos.


Enviar um comentário