quarta-feira, 21 de setembro de 2016

2 minerais, 2 corações


Procurei nos minerais, um sentido geológico pleno de perguntas do passado, interpretadas por ti e por nós, que sentido ininterrupto, e que caminho voluptuoso, que seguimos, e dormimos sob a luz dos cristais estrelares, sobre as pedras colossais, aquecidas por aquele sol quentinho da manhã, que faz ferver qualquer rocha estival... Ora desvendo o meu coração, estendido e compreendido, pela guarida tua, ora escuto o teu coração palpitante a cada segundo, e então, entendo, que são duas rochas do mesmo mineral, da mesma luz cristalina que ilumina qualquer algar, ou caverna pomposa de escuridão, ou outra qualquer coisa que a terra possua... Mas continuamos agarrados à rocha mãe, dois minerais ricos, e em bruto, duros, e antigos, mas brilhantes à exposição do ar terrestre, até que fomos encontrados, até que nos encontramos um ao outro, materiais da mesma liga, da mesma fonte, e que só a água nos fascina, para que amanhã sejamos um monumento natural de aprendizagem e de loucura "pacífica" mútua.

by Rui Faria, MR
Enviar um comentário