segunda-feira, 13 de junho de 2016

Montejunto (a subida)


Tens uma força incrível amparada nesse corpo, e nessa mente amorosa que me faz voar, viver e amar, te muito, sempre, naquela subida pela serra, árdua e calorenta, de olhos postos no que se mexe, nas "brabletas", maravilhosas, que povoam campos e matos, mas naquela que a gente procura, uma das mais belas, a borboleta-pavão... Mas eu sei que são caminhos íngremes, que custam às pernas, às minhas e às tuas, às nossas, por entre pedras e cumeadas, estradas apertadas e com ervas perigosas que escondem aquele aracnidae avermelhado... e sentamos de quando a quando, contemplando, o horizonte, e lá mais ao fundo, respirando e absorvendo tudo, olhando, de olhos fixos e lábios encarnados, sedentos, pelas águas puras e frescas, por um gole demorado... Mas olhando para cima e para o alto, para o quase, e está quase, cada vez mais perto, mas devagar e a contemplar, vamos ter de desbravar matagais, para passar e continuar, de sorrisos eternos nas bocas tua e minha, de espírito forte e jovial pela montanha acima... por trilhos sem  parar...
Montejunto, monte dos montes juntos... unidos...


by Rui Faria
Enviar um comentário