quarta-feira, 22 de junho de 2016

a formação do caos de blocos


É na Fumadinha que o pinhal-bravo atinge uma expressão que nunca havia visto, propagando-se por todo o lado e por qualquer enclave rochoso, neste caso granítico. Mas é peculiar e diferente em relação à semeadura da vasta orla atlântica de dunas holocénicas e outras (vulgares matas nacionais litorais), é mais especial no sentido de todos estes pinheiros vegetarem no outro seu habitat potencial, ou seja, locais rochosos. Sabendo que água e o vento podem formar e influenciar a formação dos penedos graníticos ovalados ou oblongos, ou as clássicas bolas polidas, por si próprios, então aqui neste local vemos essas ações serem complementadas ou aceleradas pelo crescimento do vasto pinhal deste centro interior. Desde jovens árvores que crescem de forma espontânea, até às grandes árvores, ambas, rasgam temporalmente a rocha dura mas de composição mineral frágil, criando fendas, alargando veios ou intrusões, abrindo caminho por entre zonas frágeis do granito, mas originando algo que mudará a paisagem granítica durante o tempo, a criação de solos, cada vez mais férteis e biodiversos. É a rocha mãe sendo devorada pela flora que domina à superfície!

Em histórias naturais de portugal e da península ibérica by Rui Faria
em Fumadinha, Sernancelhe
MR
Enviar um comentário