quinta-feira, 17 de março de 2016

Espichel (cores e textura da falésia)


A minha terra, as minhas cores, nessa beleza que agora se mostra encantando olhos meus, aspereza ao tocar ou a suavidade do arenito polido, porque as duas mãos se querem tocar naquilo que é algo bonito, belíssimo e estrondoso... Estou ansioso por descer à praia redonda, ao porto de abrigo e nas pedras roladas tocar, e me encantar, mas já estou encantado, mas ao descer vou perceber que há muito mais, muitas cores, muitas formas, e os pinheiros ali cravados contam-me a história perpétua da sua fixação, e porque eles são objeto da minha fixação?...são o desbravar da terra dura, penetrando as suas raízes bem fundo, onde as mais pequenas plantas não conseguem, abrindo caminho, espalhando arvoredo,...pelo tempo...
São as cores, são os desmontes, são as derrocadas, são as terras que resvalam, são as curvas e os caminhos... É uma falésia que contou uma história...~



By Rui Faria
Enviar um comentário