sábado, 30 de janeiro de 2016

árvore despida (um homem)


Um dia, ali esteve sentado, contemplando, a imaginação de um homem que nunca se separa de um elo ligado ao seu coração e da força brutal de um mundo mágico, a vida que espreita de cada recanto observado, de cada pilar natural, um elo, quebrado por uma força maior, um elo da corrente que completa... Porque as sensações são palpáveis e o vento tem sabor? 
E então ele levanta-se e diz adeus, prossegue caminho, trilho abaixo, estrada fora, caminhos incertos...

Enviar um comentário