sábado, 17 de outubro de 2015

Fauna presente



É impossível estar numa paisagem bem preservada e não sentir falta da fauna, olhar para as árvores maduras e ouvir silêncio, em muitos locais isso acontece, porque os animais existentes, refugiam-se, são nocturnos e mesmo aqueles que ainda deambulam ao sabor diurno, apressam-se a fugir se "farejarem" odor humano. Foi uma resposta às duras investidas cruéis dos povos para com os animais, a noite foi a resposta da maior parte deles, mas há que saber separar as coisas, ou melhor dizendo, hã casos e casos, e se dermos espaço e sossego em terras selvagens, os animais predominantemente nocturnos já se aventuram à luz do dia. Isto não é assim tão linear, e na verdade, às vezes, nem tem nada a ver, pelo que podemos observar, por exemplo, raposas ou javalis durante o dia, na periferia de vilas e aldeias, agora invertendo um pouco o papel e beneficiando das actividade humanas. Mas ver um animal selvagem, pode ser considerado sorte por estas terras?, não, isso depende da persistência do observador que os procura, às vezes do acaso, e não é fácil nem difícil, eles estão nas terras, (juntando a isso o óbvio "basta saber onde procurar" ou "fazer os trabalhos de casa") mas como não estamos a vontade em todos os tipos de terreno , torna-se difícil ver animais. Para recolher imagens dignas e sem perturbação, pratica-se a espera prolongada, ideal, para detetar detalhes da vida privada da fauna, e a única forma de observar comportamentos limpos sem influência indesejada da nossa presença. Quanto a muitas aves isto já muda um pouco, pois devido à capacidade fácil que elas tem em se evadirem, a timidez não é uma característica muito acentuada neste grupo, mas pode ser incutida facilmente com a caça e a perturbação irracional, vejamos o exemplo dos anatídeos selvagens e de outras espécies à muito sujeitas a actividades de caça!

Enviar um comentário