sexta-feira, 31 de julho de 2015

rio corgo -expedition


Não foi propriamente um lugar previamente pensado, porque o que tinha em mente para este dia era novamente a região de foz tua, mas deixei-me ficar pelo rio Corgo, mais precisamente a centenas de metros a montante da sua foz no rio Douro. Deixei-me ficar por aqui pois tinha a intenção de descobrir ou redescobrir (para o caso de ser conhecido o que mencionarei à frente) se o Buxus sempervirens existe por aí dado haver reunidas todas as condições em todas semelhantes às do rio Tua. E de facto não saí decepcionado e encontrei vários exemplares acantonados num único sítio possível à sua existência neste vale, uma plataforma rochosa, em tudo idêntica ás do rio Tua, que é submersa apenas por ocasião de cheias muito violentas, algo que certamente não acontecerá todos os anos. Apesar de agora no final de Julho apresentar um caudal suave e calmo, verdoso e escuro devido à lentidão com que faz o seu percurso, é um rio que pode ser revolto quando as nuvens carregadas de humidade desabam sobre a região e concelhos limítrofes, aí continua o seu contínuo processo de erosão que leva ás formações rochosas íngremes do lado direito do rio, 

Buxus semprevirens - fruto expondo as sementes


A amálgama de frutos que recolhi, alguns deles comestíveis, indica a extraordinária variadade de flora indígena do local. Faltou aqui o fruto da gilbardeira Ruscus aculeatus, por um motivo, havia poucos exemplares e os seus frutos ainda estavam verdes! Essa planta prefere zonas mais frescas e sombrias, vegetando até junto ás margens do rio, uma planta relativamente comum em diversas zonas boscosas ou sombrias por toda a zona atlântica em maioria, embora também pode ser encontrada noutros locais mesmo mediterrânicos!

 

A geologia local é impressionante, com texturas polidas e revestida por uma miríade de diversas espécies de líquenes. A Salix salvifolia reina quase sozinha em toda a extensão de ambas as margens, de ramagens densas e troncos rasos e inclinados, refletindo a dinâmica do habitat onde estão inseridas!

Um guarda-rios espreita num ramito daquele salgueiro, tentando emboscar um pequeno peixe!
A meio da tarde um melro-de-água esvoaça rente ás águas em direção a montante num voo simples e direto emitindo um som característico!
E mais maravilhas aguardam por este belo rio Corgo,...

by Rui Faria

Enviar um comentário