domingo, 14 de junho de 2015

dunas e troncos

Os troncos de madeira não se separam da areia dourada, o estorno que ali cresce baloiça com o vento na direção que ele manda. A areia é como um massajador nas mãos e cada grão é uma energia que penetra a nossa pele branca ou negra. Dolorosas são as nossas pegadas impressas na areia, invertendo temporariamente o estado de solidão da praia. Pisamos a crosta das areias intocadas e é como se uma floresta se derrubasse.



Pela proximidade em que me encontro da costa atlântica, é para mim um lugar intensamente explorado no que toda a todos os componentes naturais e que variam consoante a época do ano. Os insetos autóctones são um regalo e as adaptações da flora evocam os desertos remotos. Infelizmente torna-se uma batalha constante quando chega o tempo quente e faço expedições nas dunas costeiras! Eu não sei qual é a opinião da maioria das pessoas, para mim nem me importa aquela pessoa pacata que toma o seu banho de sol pacientemente na areia e dá uns mergulhos, ou um grupo de amigos que se vem divertir na praia, ou uma família que vai descontrair do stress citadino, o que me faz confusão é o outro grupo de pessoas dos quais os nomes categóricos prefiro não mencionar aqui, que elevam a perturbação a um nível absurdo!, mas enfim foi só um desabafo e com grande sacrifício lá tenho que ignorar certas "situações",...
No fim de contas as dunas costeiras são lugares muito especiais, pelo espaço aberto que representam e pela resiliência das plantas que as fixam! 
Enviar um comentário