quarta-feira, 20 de maio de 2015

pinhal de quiaios


Contemplando a imensidão verde deste mega pinhal.
Não fosse a plantação maciça destas dunas á décadas, e este lugar seria um vasto "deserto", mas no bom sentido! O que quero eu dizer com isto? Pensem no deserto do Saara e imaginem então como seria este lugar antes das plantações, um mar de dunas atrás de dunas, areias douradas a perder de vista, ... Pequenos oásis com pinheiros em busca do lençol freático, sedentos, são como baldes á tona de poços, marcando de longe a presença de água. Enquanto escrevo estas palavras, estou a imaginar os insetos que utilizariam estes vastos areais em todo o seu ciclo de vida; aves de várias espécies, que também elas se serviriam deste habitat único.

 "Um Picanço-barreteiro descansa no alto da copa retorcida e acanhada de um pinheiro-manso, voados os centenas de quilómetros, repousa aqui contemplando a imensidão dourada e quente do final da manhã".

Certo que as condições á existência de vida num lugar como este não seria fácil, mas pouca informação chegou até nós desse tipo de habitat, e as poucas fotos que foram tiradas antes das plantações não fazem juz à vastidão selvagem e deslumbrante que este lugar seria.
Uma coisa seria quase certa, se esta vasta região não tivesse sido plantada seria hoje infelizmente (e em parte ainda é) palco de atividades intensas de todo-o-terreno...
Enviar um comentário