quinta-feira, 19 de março de 2015

seara no vale do tâmega


Seara, tuas mãos que me engalanam, tua suavidade e pele, teu campo inexplorado, tua doce vivência, teu amor escondido, minha permanência em ti, e teus contornos latejantes, adorada beleza pintada...

Enviar um comentário